Novo site do Programa: http://pgimuno.fmrp.usp.br

A sinalização via receptor A2A contribui para suscetibilidade ao carcinoma mamário experimental

Orientador: 

O câncer de mama é um dos tumores malignos mais comuns e que afeta um grande número de mulheres da população mundial. O processo inflamatório gerado juntamente com o crescimento descontrolado das células tumorais promove um estresse metabólico no microambiente tumoral levando ao acúmulo de adenosina extracelular decorrente da hipóxia tecidual. A adenosina gerada e seus efeitos mediados via receptor A2A (A2AR) interfere em vários subtipos celulares. Neste trabalho, avaliamos o papel do receptor A2A na indução de uma resposta de células Th17 durante o carcinoma mamário experimental, visto que estas desempenham um importante papel no crescimento e na progressão do tumor de mama invasivo. Para isso, utilizamos o modelo de carcinoma mamário murino que desenvolve (4T-1) e o que não desenvolve metástase (67NR). Nossos resultados mostraram que o tumor mamário 4T-1 apresenta alta expressão do receptor A2A comparado com o tumor 67NR. A deficiência do receptor A2a preveniu o crescimento do tumor mamário 4T-1 e de colônias de células tumorais em sítios secundários da doença, concomitante com a diminuição da resposta de perfil Th17 e do recrutamento de neutrófilos para o sitio primário. Ainda, que as células tumorais 4T-1 apresentaram uma alta expressão dos receptores de adenosina e das ectonucleotidases (CD73 e CD39), sugerindo que a via de sinalização de adenosina exerce um efeito direto nessas células. A administração de adenosina ou AMP (trifosfato de adenosina) em culturas de células tumorais 4T-1 induziu
xvi
um aumento da expressão de IL-6, CCL20 e CXCL1, mediadores importantes para o recrutamento de linfócitos T produtores de IL-17 e de neutrófilos. Além disso, durante o crescimento do tumor 4T-1, observamos uma alta expressão da enzima ciclooxigenase 2 (Cox-2) comparado com o tumor 67NR. No entanto, os animais deficientes geneticamente do receptor A2A apresentaram uma redução significativa da expressão de Cox-2 no microambiente tumoral comparados com os animais BALB/c. A inibição da enzima Cox-2 com indometacina ou celecoxicib (inibidor seletivo) em animais com tumor 4T-1 preveniu o crescimento do tumor primário e, consequentemente, resultou na redução da expressão de moléculas relacionadas como o perfil de resposta de células Th17 tais como IL-6, CCL20, IL-17A e Rorγt. Esses resultados indicam que o bloqueio da via de sinalização do receptor A2A interfere na indução de resposta de células Th17, abrindo novas perspectivas para o desenvolvimento de terapias alternativas para o controle de tumores invasivos.

Data da defesa: 
18/03/2015
Local: 
Anfiteatro Prof. Dr. Pedreira de Freitas
Arquivo da dissertação: 

X Curso de Inverno em Imunologia Básica e Aplicada

Bytebio
AntiSpam